Sol da Meia Noite

Cartas na Mesa

QG Sol da Meia Noite

(Perdi a conta dos dias, na minha primeira sessão eu tinha anotado Junho…)

Ana Celi, Prof. Celius e Dante Leone acordam e encontram um leve caos na Sol da Meia-Noite. Sonya está desesperada arrumando malas e dizendo que têm que abandonar imediatamente, Mendigo está falando em italiano ao telefone e Alexandra Blackwell está se xingando em russo enquanto lê um jornal tomando café. Ana Celi vai conversar com Sonya, e Prof. Celius vai ler o jornal com Alex.

(…sonya e celi)

A manchete do jornal diz: “Família de Deputado encontrada assassinada brutalmente em casa”. Celius não entende o que isso tem a ver com eles, e quando pergunta para Alex por que irão sair dali, ela se surpreende e vai reclamar com Sonya por não avisar antes.

Ana Celi volta, e quando pergunta a Celius sobre seu amuleto, este treme em seu bolso. Celius “passeia” de um lado para o outro e testa as reações do amuleto.

(…dante)

Celius ouve um pouco da conversa de Mendigo no telefone, e entende que ele está falando com um Bispo (Cardeal?) no Vaticano, sobre vampiros livros. Ele vê Di Menor carregando suas coisas junto com a mudança, e vai para o quarto de Carlos Alberto recuperar os livros que Carlos roubou. Na porta do quarto, o amuleto começa a brilhar azul-esverdeado. Mendigo desliga o telefone, e diz para Celius que precisa conversar com ele depois.

Ele abre a porta do quarto com cuidado, e o amuleto não parece reagir mais. Ele entra no quarto, que está todo revirado e fedendo muito. Di Menor tá passando e Celius pede sua ajuda pra carregar a caixa de livros. Enquanto isso, dá uma olhada rápida, encontra uma estatueta tosca de Pazuzu e a pega.

(…)

Enquanto carregam o caminhão, Celius vai perguntar a Mendigo sobre o que quer conversar, e resolve pegar uma carona com ele. Ele reconhece o fedor do quarto de Carlos Alberto. Mendigo diz que é uma conversa longa e para depois, e Celius vai o resto do caminho lendo e examinando o Amuleto.

Mansão de Manolo

Chega o grupo, e se assusta com a decoração nova que JC colocou na casa. Alfred guia as pessoas pela casa, Celius se dirige para a cozinha para conversar com Margô.

(…)

Na cozinha, Celius e Margô estão de papo tomando chá. Celius faz perguntas sobre a casa que invadiram, Margô faz uma zona tentando explicar o que rolava lá: – Paulo Octávio não morava lá de verdade. Na verdade, segundo Manolo, ele era um Vampiro Príncipe, e tinha um cara tipo “carniça” que era ele de dia, mas que tinha uma pinta na orelha. Aí lá se encontravam um grupo de Infernalistas e um grupo de Illuminati, os Infernalistas toda lua nova e os Illuminati toda lua cheia. Os Infernalistas faziam sacrifícios, e só P.O., uma tal Bárbara Bonfim e uma outra DJ Clarisse faziam parte dos dois grupos, mas Bárbara entrou só faz pouco tempo.

Ana Celi e Dante se juntam ao grupo, e continua a conversa. – No grupo dos Infernalistas tinham vários Vampiros, no dos Illuminati um jovem bonito, com nome Van ou algo parecido, mas que na verdade tinha uns 650, disse o Manolo. E ele fingia que não sabia dos encontros dos Infernalistas, mas sabia sim. E aquele último encontro, não era dos Infernalistas não, era dos Illuminati. Aquilo nem era um sacrifício, era um ritual de poder. – Celius pergunta sobre o que ela ouviu lá, sobre o quadro, os gremlins, e se ela conhecia um tal Carlos Alberto. – Eles queriam um anel pra invocar um demônio e conquistar o mundo. E o quadro era um portal. Esses Gremlins se juntavam lá no quintal durante os rituais, mas não chegavam perto demais. E o Carlos Alberto, esse era o Sacerdote deles! Não, esse que sumiu no altar era o Van, o Carlos sumiu tem alguns encontros… – Celius se despede e vai procurar Mendigo.

(…)

Celi vai atrás de Celius, e pergunta se ele está com o Amuleto. Ele o oferece para ela, ela pede para que ele deixe na mesa; então ela começa a falar para o amuleto – Ian! Ian! – Celius pergunta se pode tentar, e então fala – …Ian?

O amuleto começa a vibrar e brilhar branco. JC se esconde embaixo da mesa. O amuleto brilha dourado. Celi fica cega. O amuleto brilha branco e dourado, e todos sentem uma pressão no ar. O amuleto para de brilhar, e de pé diante deles está um homem alto, ruivo, e de kilt, que olha todos sério. Ele fala algo a Ana Celi (…)

Dante pergunta a Ian sobre King Kobra, (…)

Ian diz que o amuleto pertence agora a Celius. Celius lhe pergunta sobre as o quadro, e as cores que o amuleto brilha. – O quadro é um portal, e vocês deverão usá-lo para entrar no inferno e destruir o Anel. O amuleto serve para avisar de coisas: vermelho, significa Vampiros; verde, demônios e veneno; azul, itens mágicos; branco ou dourado, limpeza. Se esquentar, é por que há perigo; e se vibrar, algo estranho por perto. Se precisarem, chamem pelo amuleto. Se estiver por perto, aparecerei.

Comments

helenavontsc Monstah

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.